Como sobreviver no deserto

No deserto há as regras dos 3. No pior dos casos você sobrevive: 3 minutos sem ar, 3 horas sob o sol, 3 dias sem água e 3 semanas sem comida.

como-sobreviver-deserto-1

Aja à noite
Fazer esforço durante o dia é o caminho mais curto para transformar você em charque. Durma de dia e caminhe à noite, de preferência munido de tocha ou lanterna. Procure detectar sinais de proximidade da civilização, como sons ou luzes.

como-sobreviver-deserto-2

Proteja-se do sol
Durante o dia, esconda-se como puder dos raios solares. Se o deserto tiver escarpas, aproveite as sombras criadas pelo relevo.

como-sobreviver-deserto-3

Proteja-se do sol
Se houver algum tipo de vegetação, busque a proteção de cactos e arbustos.

como-sobreviver-deserto-4

Proteja-se do sol
Se só houver areia ao seu redor, cave o maior buraco que conseguir e se enfie dentro dele: alguns centímetros abaixo da superfície, a temperatura do solo é um pouco menor.

como-sobreviver-deserto-5

Nada de striptease
Por mais que você sinta calor, não caia na tentação de tirar a roupa: ela é uma proteção importante contra o sol. Desabotoe, abra e afrouxe o que puder para ficar 100% confortável e cubra a cabeça com uma camisa ou outra peça. Se você tiver filtro solar (algo comum para quem passeia no deserto), use-o.

como-sobreviver-deserto-7

Hidrate-se
Racionar água não prolongará sua vida. A desidratação prejudica a capacidade de pensar e, nessa situação, ninguém pode se dar ao luxo de ser burro. Quando a fome bater, não coma: o corpo usa água na digestão e o resultado é uma desidratação mais rápida.

como-sobreviver-deserto-6

Fogo é fundamental
Óculos (de grau ou escuros) servem para acender fogueiras, importantíssimas para a noite, quando a temperatura cai dramaticamente.

como-sobreviver-deserto-8

Seja escandaloso
Para mandar sinais de socorro, faça 3 fogueiras e dê 3 assobios altos sempre que puder. O número 3 é um código internacional para identificar quem está em apuros: uma fogueira solitária poderia indicar somente que uns doidos estão fazendo uma rave.

Fonte: http://super.abril.com.br

Anúncios

Como sobreviver se o paraquedas não abrir

As chances de sobreviver em uma situação dessas são ridículas. Mas veja o que você poderia tentar fazer.

como-sobreviver-se-o-para-quedas-nao-abrir-1Salto em grupo (CHANCES REMOTAS): 1. Peça ajuda
Se os paraquedas principal e reserva falharem, acene para um colega e aponte para seu paraquedas – sem demora, pois você já deve estar a menos de 750 metros do solo.

como-sobreviver-se-o-para-quedas-nao-abrir-2

Salto em grupo (CHANCES REMOTAS): 2. Segure firme
Seu companheiro deve mergulhar na sua direção. Agarre-o fortemente. A essa altura, vocês estarão na velocidade máxima de queda livre – mais de 200 km/h.

como-sobreviver-se-o-para-quedas-nao-abrir-3

Salto em grupo (CHANCES REMOTAS): 3. Aguente o tranco
Segurar não basta: o impacto da abertura desata qualquer abraço. Entrelace seus braços nos arreios do macacão do colega. O tranco deve quebrar seus braços.

como-sobreviver-se-o-para-q

Salto em grupo (CHANCES REMOTAS): 4. Pouse como der
Assim que seu colega abrir o paraquedas, ele deve conduzir a queda enquanto você se segura. Tentem desviar de obstáculos como construções e fiação elétrica. Como o peso é grande e a distância do chão, curta – cerca de 150 metros – uma aterrissagem suave está fora de cogitação. Se houver água por perto, pousem lá. Após o pouso, seu companheiro terá de evitar a inundação do paraquedas.

como-sobreviver-se-o-para-quedas-nao-abrir-4

Salto individual (CHANCES RIDÍCULAS): 1. Procure um bom lugar para cair
Sem paraquedas, a chance de morrer é de aproximadamente 100%. Ainda assim, alguns terrenos podem – pelo menos em teoria – amortecer o impacto e, em casos extraordinários, evitar a morte. Exemplos: copas densas de árvores sobre um pântano, celeiros cheios de feno e encostas íngremes cobertas por neve fofa.

como-sobreviver-se-o-para-quedas-nao-abrir-5

Salto individual (CHANCES RIDÍCULAS): 2. Vá a esse lugar
Manobre seu corpo para o local de pouso. Para deslocamentos horizontais, adote a posição “tábua”, com o corpo todo esticado e a cabeça apontando a direção desejada. Inclinando-se a cabeça para baixo, o ângulo da queda se torna mais agudo; para uma descida totalmente vertical, posicione-se de ponta-cabeça.

Fonte: http://super.abril.com.br