Massa de pizza caseira

Em homenagem ao dia da pizza… Mentira! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Fiz essa receita terça, mas a atribulação me impediu de postar e aproveitei a “deixa” da comemoração de hoje. 😉 Esta receita eu vi aqui!

pizza4

Ingredientes

2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de açúcar
1 colher (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de sal
3 colheres (sopa) de azeite ou óleo
2 colheres (sopa) de cachaça (eu não coloquei)
2/3 de xícara (chá) de leite ou água (usei água)

Mão na massa

Misture todos os ingredientes na ordem indicada e amasse. Sove um pouco a massa, cubra-a com um pano de copa e deixe-a repousar durante 10 minutos. Se preferir 2 pizzas médias, corte a massa ao meio e abra uma de cada vez. Se vai fazer uma pizza grande, abra a massa com o rolo de uma só vez e em forma circular, polvilhando-lhe farinha sempre que necessário.
Coloque a massa numa assadeira levemente untada e asse-a em forno quente por 10 minutos ou até que a massa fique semi-assada. (Pode também assá-la, colocando-a diretamente numa panela elétrica, fazendo 2 pizzas: uma de cada vez). Depois é só colocar o recheio desejado e voltá-la ao forno até derreter o queijo. A receita rende 1 pizza grande ou 2 médias.

DICA: Antes de levar a massa ao forno faça alguns furos com um garfo para não fazer bolhas.

pizza1Massa pronta para pré-assar.
pizza2Pizza quase pronta! Pré-assada e preparada! 😉
pizza3Pizza prontíssima! Tá na mesa pessoaaaaaaaal!! \o/

Achei essa receita bem fácil, tinha os ingredientes em casa e resolvi fazer, porém, tenho algumas considerações. No blog a autora informa que tirou a receita do livro Dona Benta – Comer Bem, mas, embora minha irmã tenha o livro eu não fui olhar o que agora com certeza eu vou fazer. 🙂

Ela não diz qual o ponto que a massa fica, o que me deixou sem saber o que fazer (sou uma apreciadora mais da arte de comer do que de cozinhar, então não tenho talentos de mestre-cuca). A minha massa ficou total grudando na mão, mas como ela diz pra abrir com o rolo fui jogando farinha até desgrudar e dá pra pegar (não ao ponto de abrir porque fiquei com medo de virar uma pedra).

Dei o descanso e não vi mudança nenhuma. kkkkkkkkkkkk Coloquei a massa na forma e abri com a mão mesmo, como abre empadão… A massa malmente preencheu a forma, não sei como é possível fazer 1 pizza grande ou 2 médias, não sei o diâmetro dessa minha forma, mas sem dúvidas, comeria ela sozinha (sim, sou esganada e como muito). 😥

Por conta dessas questões fiquei curiosa pra ver se tem mais detalhes no livro, ou se a cachaça faz alguma diferença, eu não usei porque tinha outras bebidas, cachaça não. kkkkkkkk Enfim, pré-assei, coloquei o molho + presunto + atum + queijo (o nome: pizza é o que tem pra hoje), reguei com azeite (eu gosto) e levei ao forno pro queijo derreter.

A pizza é gostosa. Levando em conta a praticidade vale muito à pena, entretanto, não esperem nenhum padrão Cheiro de Pizza porque nem cabe a comparação, mas eu que aprecio receitas fáceis gostei muito. Agora vou catar o livro porque invoquei com o ponto da massa e otras cositas más…

Tava com tanta fome que comi desesperadamente, vou precisar fazer de novo porque nem lembro direito da textura da massa, sério. :O E quem é fã de praticidade e gordices se joga que a bichinha é gostosa e rápida, tanto pra fazer como pra comer! 😉

Anúncios

Como fazer fogo sem fósforos

Veja as dicas da SUPER para acender uma fogueira sem ter fósforos por perto.

fogo-sem-fosforo-1a

COM UMA LATA E CHOCOLATE:
Este método só dá certo em dias de sol forte. A base da lata funciona como um espelho côncavo. É preciso polir o alumínio, esfregando um pedaço de chocolate (fig. 1) e depois um pano (fig. 2) até o fundo da lata ficar bem brilhante.

fogo-sem-fosforo-1b

COM UMA LATA E CHOCOLATE:
Aí você deve posicionar o material inflamável – algo como um palito com capim seco na ponta – no ponto focal, onde os raios refletidos convergem. Para localizar esse ponto, é recomendável usar óculos escuros, tanto para a proteção dos olhos quanto para reduzir a luminosidade do ambiente. (Não coma o chocolate. Ele fica cheio de alumínio.)

fogo-sem-fosforo-2a

COM ÁGUA E UM PLÁSTICO TRANSPARENTE:
Junte as pontas do plástico, formando um saco que deve ser preenchido com um pouco de água que você tiver, por exemplo, num cantil.

fogo-sem-fosforo-2b

COM ÁGUA E UM PLÁSTICO TRANSPARENTE:
Aqui também o sol é essencial: o saco d’água vai funcionar como uma lente para concentrar os raios e incendiar sua “isca”: materiais como palha, capim seco, estopa ou casca de árvore.

fogo-sem-fosforo-3a

PRINCÍPIOS BÁSICOS – A FONTE:
As duas técnicas apresentadas aqui têm princípio semelhante: aproveitar a energia de raios solares refletidos (no caso da lata) ou refratados (pelo saco d’’água). Essa energia se ‘concentra’ no foco – o ponto onde os raios convergem antes de divergirem novamente.

fogo-sem-fosforo-4a

PRINCÍPIOS BÁSICOS – ALIMENTE A FOGUEIRA:
Assim que você tiver um sinal de que algo está queimando, trate de manter viva a sua chama. Assopre delicadamente o capim, palha ou estopa (fig. 1). Aos poucos, vá aumentando sua fogueira com a adição de gravetos e galhos (fig. 2), até obter uma fogueira que possa ser alimentada com pedaços grandes de madeira (fig. 3). Só tente usar as técnicas de fazer fogo em caso de emergência e em espaços abertos: brincadeiras podem provocar incêndios domésticos ou florestais. (Não tente isso em casa).

Fonte: http://super.abril.com.br

Dia da Pizza

diadapizza

O Dia da Pizza é comemorado desde 1985 em São Paulo. A data foi instituída pelo então secretário de turismo, Caio Luís de Carvalho, por ocasião de um concurso estadual que elegeria as 10 melhores receitas de mussarela e margherita. Empolgado com o sucesso do evento, ele escolheu a data de seu encerramento, 10 de julho, como data oficial de comemoração da redonda.

A história da pizza começa na Roma de César, antes da Era Cristã. Conta-se que os nobres desta época comiam o pão de Abraão, uma massa de farinha, água e sal que vai ao forno bem forte. A ele eram acrescidos ervas e alho. Essa mistura era chamada de Piscea.

A variação das coberturas foi se amadurecendo com o passar dos anos, até que o tomate chegou à Europa trazido por Cristóvão Colombo e daí para frente o pomodoro foi incorporado totalmente à receita. Houve época em que essa iguaria era comida no café da manhã e vendida por ambulantes.

Saiba viver eternamente, buscando estudar e aprender coisas úteis e proveitosas a você e ao próximo.
Quando paramos de aprender e de progredir, começamos a morrer realmente.
Aprenda o mais que puder, em todos os ramos do saber, para iluminar ao máximo o seu espírito.
Aproveite todos os seus minutos, para aprender, para aumentar seus conhecimentos.

Bom dia! :*