Pesadelo da casa própria (DESABAFANDO)


d95f83e1f22d59da9f079be2e512025b8eff8fff

Um problema que afeta cada vez um número maior de brasileiros: pessoas que quando acham que conseguiram, enfim, realizar o sonho da casa própria, vivem um pesadelo. Não era bem assim que estava no anúncio.
No apartamento do Thiago, em um vídeo gravado pelo próprio morador, é possível ver água caindo dentro da sala e vários baldes pelo chão. “Você tem até piscina dentro de casa. Cascata, coisas que você talvez só teria em apartamentos de luxo”, critica ele no vídeo. O vídeo foi feito em dezembro do ano passado, dez meses depois da entrega do prédio, no subúrbio do Rio de Janeiro,
Durante a festa de aniversário do vizinho, Renan, no salão de festas, cai uma cascata de água do teto. Mas a situação não é coisa só do prédio deles, não.
Em São Paulo, quando uma moradora tenta lavar roupa, ao abrir a torneira do tanque, a água começa a sair do ralo.
Na região metropolitana de Goiânia, tem esgoto saindo pela pia da cozinha. E a Flávia não pode nem dar descarga porque a água vaza.
Todos os apartamentos são novinhos. O de Goiânia não tem nem três meses.
“A minha vida virou um caos”, conta Thiago.

Aumento nas reclamações contra construtoras e incorporadoras

Um site de reclamações na internet mostra que nos três primeiros meses deste ano o número de relatos sobre problemas de infraestrutura em prédios recém-entregues subiu 36 % em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 4631 reclamações, de janeiro a março de 2014.
“Infiltração nas unidades, rachaduras, problemas com portas ou janelas que não se fecham adequadamente, desnível nos pisos”, conta o presidente do Comitê de Habitação da OAB de São Paulo Marcelo Tapai.
O Procon, a Fundação de Defesa do Consumidor, de São Paulo, também detectou um aumento nas reclamações em geral contra construtoras e incorporadoras. Isso inclui não só problemas com obras mal feitas, mas também atrasos e cobranças indevidas.
“De 2012 pra 2013 nós registramos um aumento de 71% nas reclamações registrados pelos consumidores contra as construtoras”, explica a diretora de atendimento do Procon-SP, Selma do Amaral. Apenas 8 % dessas reclamações foram resolvidas, segundo o Procon. “Você tem um crescimento do mercado imobiliário e você verifica que esse crescimento ele tá acompanhado de uma série de problemas”, diz Selma.

Primeiro apartamento em Goiânia acaba em problemas

Há dez meses, o advogado Adriano Lima comprou seu primeiro apartamento, de 48 metros quadrados. O resultado? “Problemas de infiltração, problemas com esgoto, com gás, com energia elétrica”, conta Adriano Lima, advogado.
Nas áreas comuns e nos apartamentos, ele mostra rachaduras, buracos, vazamentos e infiltrações. “O esgoto voltou pela tubulação da pia e da máquina de lavar”, afirma Adriano.
Até em lugar onde água é um perigo. “Está havendo infiltração ao lado das caixas de energia. A parede está úmida. Está muito úmida”, conta o advogado.

Mulher descobre logo após a mudança que não pode usar banheiro

A vizinha de Adriano, Flávia Tavares, descobriu logo que mudou que não poderia usar o banheiro. “Quando eu dou descarga, a água do vaso sai toda para dentro do banheiro”, conta a técnica de nutrição.

Reparo feito em prédio no Rio de Janeiro não agrada proprietário

No Rio de Janeiro, no bairro de Honório Gurgel, o prédio do Thiago e do Renan têm problemas parecidos.
Fantástico: Quem que teve a festa alagada?
“Fui eu. O telhado começou a ceder, o isopor com as bebidas começou a boiar pelo salão. A festa acabou”, conta o chef de cozinha Renan Menezes.
Depois da chuva, a construtora fez um reparo. Mas a esposa do Renan, a Flaviana, não gostou do resultado.
“Eles só colocaram as telhas no lugar e refizeram o PVC, sendo que a gente tinha solicitado que colocasse laje e eles falaram que em caso ocorrer novamente, estando o PVC e o telhado, era mais fácil de eles consertarem e não machucaria ninguém se caísse de novo. Quer dizer, eles partem do princípio que pode voltar a acontecer”, diz a cirurgia dentista Flaviana Chaves.
A Flaviana levou a gente para conhecer outros problemas. Dessa vez, no apartamento do casal, de 50 metros quadrados. “Não poder lavar a cozinha, não poder lavar o banheiro com água, desinfetante, sabão essas coisas que as pessoas comuns lavam, porque senão vaza tudo na casa do vizinho”, explica ela.

Proprietário desiste do apartamento

O Thiago, aquele do começo desta reportagem, desistiu do apartamento. “Depois da chuva, eu vi que eles não iriam vir resolver, em janeiro eu já fechei a porta e saí”, conta o marítimo Tiago Maia Madureira.
Em nota, a construtora MRV disse que começou a reformar o apartamento do Thiago no dia 2 de janeiro e que as obras estão em andamento.

Construtora aponta responsabilidade do condomínio em vazamento

Na última sexta-feira (16), a MRV procurou o Fantástico para falar sobre o vazamento no teto do salão de festas. A empresa afirma que aconteceu por falta de manutenção das calhas, uma responsabilidade do condomínio. O síndico diz que a construtora nunca informou sobre a manutenção das calhas. A construtora dos prédios do Rio e de Goiânia é a mesma. Ela afirma que 75 % dos problemas dos dois condomínios já foram consertados. Os demais estão sendo atendidos pela assistência técnica.

Prédio em SP tem vazamento próximo de equipamentos eletrônicos

Em um outro prédio, de outra construtora, no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, também não pode chover. “Nós temos equipamentos eletrônicos ligados e vazamento de agua. Aqui também na parede, no chão, todo esse lugar fica inundado”, diz a administradora de empresa Fernanda Baraldi. Não dá nem para abrir a torneira do tanque.

Perito verifica riscos e falhas na construção do prédio

O Fantástico trouxe o Carlos Eugênio, que é um perito especializado em condomínios, para verificar quais os riscos que as falhas na construção dessa obra oferecem para os moradores.
Fantástico: Esse teto, o que é, parece uma estalactite, é isso?
Carlos Eugênio: É uma falha do sistema de impermeabilização. É altamente agressiva à armadura do concreto.
Fantástico: É normal isso acontecer em um prédio que não tem nem um ano?
Carlos Eugênio: Não, não é normal. Serviço mal feito e tem que ser refeito.

Perigo grave nas escadas das saídas de emergência

Nosso perito também encontrou outro problema grave – e perigoso. Nas escadas das saídas de emergência.
Carlos Eugênio: Você vê que esse primeiro degrau, ele tem 23 centímetros de desnível, quando você vem pra esse degrau aqui, ele tem 15 centímetros. Dá uma diferença de oito centímetros. É muita coisa.
A variação máxima permitida por lei entre degraus de um mesmo lance de escadas é de cinco milímetros, bem menos que os oito centímetros constatados.

Construtora do prédio de São Paulo diz que vai realizar reparos

A construtora do prédio de São Paulo, a Gafisa, afirma que ele foi entregue em perfeitas condições ser habitado, e diz que definiu um cronograma para atender a todos os pedidos que considerar procedentes e de sua responsabilidade. A empresa afirma também que vai realizar os reparos necessários nas escadas de emergência.

O que verificar antes de aceitar o imóvel

Fantástico: O que o morador deve verificar antes de assinar qualquer aceite do seu apartamento?
Carlos Eugênio: Principalmente o funcionamento de janelas, portas. Tem que levar um baldinho. Aí ele põe água no baldinho, vai no banheiro, joga água bem devagarzinho no box, no sentido contrário do ralo, bem devagarzinho no piso, a água tem que caminhar em sentido ao ralo. Só recebe, assina o recebimento após todas as anomalias construtivas serem corrigidas”, indica o perito especializado em condomínios.

O Guilherme, que mora num apartamento de 49 metros quadrados, no bairro Glória, em Porto Alegre, fez isso, mas os problemas apareceram depois. Então, ele acionou a construtora, a PDG.
“A gente teve problema com o gás. Depois que a gente conseguiu resolver esse problema, que foi também a custo, abrindo chamado, recorrendo, a gente teve um problema com água, com a vazão e com a pressão da água, que também demorou por uma semana. Então a gente ficou praticamente, quase duas semanas sem poder tomar um banho de água quente”, conta o analista de sistemas Guilherme Fortes.
Mas ainda há coisa para ser consertada. “O interfone que não funciona. A gente tem ainda problema de vazamento no cuba da pia, da cozinha. Tem problema no exaustor do banheiro”, afirma Guilherme.

Gafisa, PDG e MRV estão entre as mais reclamadas no Procon de SP

Em nota, a PDG diz que problemas encontrados em suas unidades serão analisados.
A PDG, a Gafisa e a MRV estão entre as cinco construtoras que mais receberam reclamações no Procon de São Paulo em 2013.
Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, os problemas de obras mal acabadas são pontuais. “Não é um problema generalizado, ao contrário, eu acho até que é um problema bastante… de percentual bastante pequeno. Hoje há uma preocupação muito forte do construtor sério e formal, com a qualidade dos seus produtos. Até porque há uma demanda com relação a isso da sociedade muito forte, cada vez maior. São problemas que eventualmente ocorrem, mas eu diria que hoje o consumidor tá muito protegido em relação a isso”, afirma Paulo Simão, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção.
“Essa construtora tem o prazo de 30 dias para sanar esses defeitos. Do contrário, abre-se aí o direito do consumidor de inclusive ter o valor pago por esse imóvel devolvido e corrigido”, conta a diretora do Procon.
“As pessoas não podem aceitar o apartamento e área comum mais ou menos. Ninguém compra um imóvel mais ou menos e não paga mais ou menos por ele. Então tem que exigir que a entrega seja adequada”, alerta o advogado.

Fonte: http://g1.globo.com/fantastico/index.html

.

Pois bem, eu não seria eu, se me calasse após ter assistido esta matéria. Só quem teve problemas com o apartamento “novo” sabe o que essas pessoas estão passando. E coloco o novo entre aspas justamente pra chamar a atenção das pessoas, porque é um novo com mais problemas do que os apartamentos antigos.

Meu apartamento é do PAR, Programa de Arrendamento Residencial, antecessor do Minha Casa Minha Vida. Enfim, de modo geral, quando o apartamento fica pronto o proprietário é chamado para a vistoria, o que se vê a olho nu vê, o que não, briga depois. Aí o perito na matéria orienta até a verificar o escoamento da água pro ralo, sim, e na prática? A construtora vai quebrar o piso do banheiro ou cozinha/área de serviço, refazer contrapiso, recolocar o piso novo, em tempo hábil de entrega como as unidades que não tiveram “problema”? Sinto muito, eu duvido! Posso estar errada, mas creio que quem não identificar problemas básicos na vistoria, e der o ok o quanto antes, só demorará ainda mais pra conseguir se mudar. No caso do desnível do ralo eu não conheço nenhum caso que tenha sido corrigido na vistoria…

É bem verdade que os problemas surgem tão logo passamos a habitar o apartamento. No dia a dia é que os vícios construtivos surgem. Quando recebi meu apartamento identifiquei questões básicas, mas depois diversas surgiram em diversas unidades. A verdade é que, ou a mão de obra é deficiente, ou os materiais utilizados são de péssima qualidade, ou é o conjunto da “obra”!!

Meu ap é popular, só tinha piso na cozinha e banheiro, então vejamos: o contrapiso de todo o apartamento é tão desnivelado, que até colocando a pedra em cima para verificar a posição elas ficavam dançando. Infelizmente para corrigir, o pedreiro precisaria refazer todo o contrapiso e como eu não tinha dindin, ficou por isso mesmo, aqui tá raso aqui tá fundo!

As paredes são tortas, com barrigas, enfim, mal feitas! Tenho até uma colega que dizia que jamais poderia trocar a tinta fosca, porque ela era ideal pra encobrir as imperfeições que não eram poucas! kkkkkkkkkk Só rindo pra não chorar!

O batente das janelas infiltram. Não sei se por falta de selador externo, sei lá, não sou mestre de obras kkkkkkkkkkk só sei que as janelas tem uma moldura inferior de mofo que só Jesus! E a parede fica toda úmida, como se tivesse uma fuligem de mofo. :/

Os ralos são todos desnivelados, e o da parte de dentro do banheiro (sem ser o do box) logo no início infiltrou no ap de baixo. Quando o cara da construtora veio arrumar, descobriu que o ralo estava entre o cano e a parede (totalmente desencaixado), fazendo com que a água descesse parte pelo chão, parte pelo cano, infiltrando tudo. Resumo: a emenda ficou pior que o soneto, depois desse “conserto” nunca mais consegui lavar o banheiro direito. A água não desce, tenho que enxugar com o pano e torcer dentro do box, ninguém merece!!!

Dentro do box, a junta de canos que fica acima do chuveiro, logo infiltrou no meu ap de um jeito que a água jorrava. Quando vieram arrumar viram que o cano estava quebrado. WHAT? Menos de um mês e o cano está quebrado? SOCORRO!

O janelão da área de serviço é tão torto, que o rapaz mediu (achando que era um quadrado perfeito, assim como eu kkkkkkk), e quando veio com a janela não encaixou, aí percebemos a “arte abstrata” que é o “quadrado” da janela. Foi preciso moldar a janela ao buraco e completar o vazio com silicone, ó céus!

Na época teve um vazamento na casa da vizinha também, algum cano rompeu e a água infiltrou no gesso do reboco (as paredes são de gesso) e no piso, ou seja, o ap estava totalmente encharcado e mofado, sorte ter sido logo após a entrega e ela não ter nada lá, senão teria perdido tudo!

Esses são pequenos problemas que lembrei agora, mas muuuuuuuuuuitos outros aconteceram e também preciso encerrar o post. Quis lembrar de todos os problemas do meu ap, principalmente, porque na matéria, Paulo Simão, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção, diz que esses  problemas de obras mal acabadas são pontuais, e que é um problema de percentual bastante pequeno. OI???? Esse cara tá de brincadeira, só pode! Esses problemas de obras mal acabadas são crônicos!! Os índices de reclamação só crescem! Mesmo com o Código de Defesa do Consumidor as construtoras ainda não foram penalizadas de modo a mudar seus maus hábitos. Fazem pouco caso dos problemas e se aproveitam da morosidade e impunidade da justiça.

Ano passado, meu apartamento assim como na matéria retornou água da pia. Sorte ter sido da caixa de gordura, que pra mim já era fedida o suficiente, porque se fosse esgoto nem sei o que faria!! Foi um inferno pra resolver. Descobri que diversos aps estão com esse problema. Se não for vício construtivo é o quê?? Eles querem empurrar a culpa pro proprietário, que tem que dar manutenção na tubulação. OI?? E pagamos condomínio pra que? Após muitos relatos, chegamos a conclusão que além do cano ser inapropriado para a vazão, ainda é mal colocado, enfim, os condomínios não querem fazer manutenção pra quando o problema literalmente explodir, jogar a culpa pro responsável pela unidade. E ainda vem este Sr. me dizer que são problemas pontuais, faz-me rir!!

Estas são as fotos do estrago. A água foi tanta que já descia pelas escadas e entrou na casa da vizinha da frente. Perdi meu armário, o rack da sala inchou a parte de baixo, enfim, problema de quem?? 

vaz0

vaz1 vaz2

vaz3 vaz4

vaz5 vaz6vaz7vaz8

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s